quarta-feira, 28 de julho de 2010

Receita: avestruz ao molho de amoras

 

A carne de avestruz apresenta maciez que sempre surpreende ao ser saboreada pela primeira vez. O segredo desta característica é a baixíssima quantidade de colágeno: uma proteína do tecido conjuntivo dos animais e que caracteriza a resistência das carnes à mastigação.

A carne é super saborosa e levemente adocicada. Sua coloração é vermelha e intensa devido ao alto nível de ferro (Fe) em sua composição. É uma ótima alternativa para quem se preocupa com a saúde sem deixar de lado a suculência e sabor da carne vermelha.

A carne de avestruz é extremamente magra, o conteúdo de gordura em média representa 1,5%, que, em maior parte, é formada pelas gorduras insaturadas, tendo os ômegas 3 e 6 como seus mais famosos representantes - assim como a carne de peixe, possui quantidades generosas destes ácidos graxos -.

Para a receita de hoje, você precisará, primeiro, do molho de amoras. Clique aqui para ver a receita. O molho é o ator principal da receita, então, para o avestruz, será algo bem simples. Aí vão os ingredientes:

#Ingredientes
200 g (4 Bifes) de avestruz Barão (tipo supersteak);
60 g de manteiga;
3 colheres de sopa de azeite de azeitona extra virgem;
1 colher de sopa de sal.

# Modo de preparo:
Primeiramente, deixe os bifes de avestruz temperados com sal.

Prepare, agora, o molho de amoras e, depois de pronto, deixe em banho maria e com a panela tampada.

Derreta a manteiga junto com o azeite de azeitona e frite os bifes. Eles devem ficar ao ponto - o avestruz não é uma carne para servir mal passada -.

Intervenção: Para aqueles que gostam de desviar a receita, pode-se, na hora de derreter a manteiga, colocar algumas ervas junto para fritar e, talvez, um alho. Mas não recomendo; deixe o avestruz simples e prefira caprichar no molho de amoras! hehehe

Tire o molho de amoras do banho maria e destampe a panela. Lembre-se de, quando destampar, deixar aquele vapor que condensou na tampa escorrer para dentro da panela.

Sirva os bifes com o molho por cima e, para deixar mais cheiroso, aperte com os dedos algumas folhas de hortelã e decore o prato.

# Para acompanhar:
Um vinho rosé cabe muito bem para acompanhar esse prato. O efeito tânico (adstringente) completa  com a leveza do prato. Se não encontrar - ou for muito caro - escolha um vinho tinto seco bem jovem: estará rico em taninos, que provocam o mesmo efeito.

# Para NÃO acompanhar:
Não faça nada que leve queijos para acompanhar esse prato! O cheiro e o sabor predominantes vão sair de coadjuvantes para se tornar vilões.


 Bom Apetite!

Nenhum comentário:

Postar um comentário